Resenha Crítica de Filme: Distrito 9


Não sei se de fato merecia uma indicação ao Oscar, mas tenho que admitir, Distrito 9 é bem original. Nunca pensei em um filme que tratasse de invasão alieníngena como sendo os invasores os coitadinhos. É tão comum o cinema retratá-los como inimigos selvagens e crueis, e uma ameaça que não possibilita nenhum tipo de acordo, a não ser a destruição total dos aliens. Apesar de o filme ter apresentado os ETs como monstrengos sem "educação", desta vez os produtores deram uma chance para eles, traçaram-lhes um perfil mais condizente com tal realidade, se é que ela existe. Exceto pelo fato de a dura realidade africana ter sido apresentada como o lixo do mundo. Fico de cara com tanto pedantismo por parte dos produtores, como se os EUA fosse o centro do universo e o exemplo de uma sociedade perfeita, e o "resto" do mundo fosse a escória, a ralé.

O nome do personagem principal é bem incomum aos ouvidos dos acostumados com filmes americanos. Mas como se trata de uma produção da Nova Zelândia, o personagem é Wikus Van De Merwe, um funcionário do governo, recém promovido, que foi encarregado de expulsar aliens que, havia 20 anos, invadiram algumas terra de Joanesburgo, capital da África do Sul, e lá permaneceram. Isso aconteceu por causa de defeitos na nave espacial, que ficou pairando sobre a cidade. O homem é bem corajoso e tenta impor autoridade aos "visitantes" inconvenientes, prometendo-lhes outras terras, já que o local atual, nomeado Distrito 9, não é mais apropriado para a habitação dos então principais inimigos do governo. Só que os aliens se recusam a sair. E numa das discussões o coitado do Wikus é infectado por um fluido dos aliens, que dá início a uma transformação paulatina no corpo dele, e uma força anormal. O governo o captura, mas ele consegue fugir e conhece um ET bem legal, Christopher, que promete ajudá-lo caso Wikus também ajude ele e toda a raça alieníngena a escapar da Terra.

A história é, como eu disse, bem peculiar e intrigante. Gostei porque os ETs foram mostrados como seres inteligentes, não tanto quanto de fato eu os imagino. Além disso, eles só atacam se são provocados e não de forma deliberada como em Independence Day, por exemeplo. Na verdade, o que eles realmente querem é voltar para o planeta deles. O problema maior do filme é que é muito violento, e tem um ambiente sujo demais. Não gosto de filmes assim. Agonia-me ver bagunça em filmes, já não chega a nossa própria vida ser bagunçada?

Minha Nota: 7,0

Comente com o Facebook:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...